(Last Updated On: 30 de agosto de 2019)

O modal rodoviário é o mais utilizado no Brasil. Mais de 60% da carga é transportada pelas estradas do país. Com o crescimento do e-commerce, a tendência é o fortalecimento desse cenário, o que faz o cross docking ficar ainda mais evidente.

Essa é uma estratégia de movimentação de produtos que visa à redução do tempo da mercadoria nos centros de distribuição e à chegada rápida aos clientes. Devido a esses objetivos, contribui para o aumento da satisfação dos clientes.

No entanto, reduzir o conceito a essa explicação é simplificá-lo. Existem muitos outros detalhes a considerar. Por isso, criamos este guia completo sobre o assunto. Que tal conferir? Vamos começar com a primeira pergunta.

O que é cross docking?

O cruzamento de docas, na tradução para a nossa língua, é uma estratégia de otimização de estoque que visa à melhoria da logística de distribuição de mercadorias para reduzir o tempo de armazenamento e, por consequência, a ocupação de espaços. Para isso, o sistema trabalha com o controle aprimorado dos produtos.

Na prática, o que acontece é que o produto não é armazenado. Ele chega dos fornecedores e segue quase automaticamente para a entrega. Isso acontece por dois motivos: por ser a proposta do cross docking e porque os espaços disponíveis pela empresa são pequenos.

Assim, o funcionamento ocorre da seguinte forma: o cliente realiza o pagamento e a empresa solicita o fornecimento da mercadoria. Ela vai para o centro de distribuição mais próximo do consumidor, é separada e já segue para distribuição aos clientes.

Nesse processo, são utilizadas docas para carga e descarga. Quando chegam, os produtos são fracionados e distribuídos para os veículos, o que torna o procedimento mais ágil. Para chegar a esse patamar, o sistema precisa ter algumas características. As principais são:

  • o produto disponível e entregue ao centro de distribuição deve ser encaminhado diretamente para o cliente final;
  • uma ferramenta de integração dos processos precisa ser utilizada para otimizar o controle e tornar a comunicação mais eficiente;
  • o tempo de permanência dos produtos no centro de distribuição parceiro deve ser o menor possível, com variação de um a três dias, a depender do que foi combinado e do modelo de serviço;
  • o período de armazenamento não pode exceder o prazo máximo, mas uma cobrança deve ser feita, caso isso ocorra. O objetivo é garantir que a cadeia logística continue em bom funcionamento, em vez de ficar comprometida.

Os tipos de cross docking

A estratégia é divida em três tipos diferentes. Eles consistem em maneiras de aplicar o método no processo logístico. Nesse contexto, as possibilidade são as seguintes.

Movimentação contínua

O modelo mais tradicional para e-commerces tem por finalidade evitar o acúmulo de itens no estoque. Para isso, as mercadorias são encaminhadas do fornecedor para o centro de distribuição. Em seguida, são enviadas ao cliente após uma verificação rápida do pedido.

Movimentação consolidada

A também chamada movimentação híbrida é aquela em que os produtos são recebidos e seguem para triagem. Parte é enviada ao consumidor e o restante fica armazenado para esperar outras mercadorias e finalizar o pedido. Nesse caso, o cross docking é combinado ao método de estoque dedicado para dar mais liberdade à empresa com os itens de alto giro.

Movimento de distribuição

Esse modelo é, geralmente, usado em negócios B2B (business to business) porque as vendas são em maior quantidade. O propósito é separar e receber os produtos para distribuição em cargas Full Truckload (FTL), isto é, caminhão cheio.

Os níveis de cross docking

Os tipos ainda são complementados com níveis de cross docking. Veja quais são as opções disponíveis.

Cross docking paletizado

O nível 1 é quando os produtos vêm de fornecedores distintos e são alocados em um veículo para entrega imediata aos consumidores. Nesse modelo, inexistem seleção ou separação antes da entrega.

Cross docking com separação

O nível 2 consiste no envio dos produtos ao centro de distribuição. O processo é feito pelos fornecedores a partir da separação em lotes ou caixas. A entrega é realizada em uma região específica.

Cross docking com separação e reembalagem

O nível 3 é o mais abrangente, incluindo a separação e a reembalagem posterior para o envio de cada mercadoria ao cliente que fez o pedido. Esse modelo é ideal para empresas que têm a entrega e a distribuição como etapas vitais à sobrevivência do negócio.

Qual é a diferença entre cross docking e dropshipping?

Apesar de ser uma estratégia de logística, o cross docking é apenas uma delas. Outra bastante conhecida é o dropshipping — e saber diferenciá-las é essencial. O conceito da primeira já está entendido.

Por sua vez, a segunda tem a característica de também não trabalhar com estoque. A diferença é que a mercadoria vai direto para o cliente, sem haver intermediação de um centro de distribuição. Como o processo acontece?

A resposta é simples! Os pedidos são enviados pelo fornecedor. Ele encaminha as mercadorias diretamente para o cliente. A empresa, nesse caso, não interfere no fluxo de trabalho e os produtos também passam longe dos seus armazéns.

Um exemplo bem simples ocorre em sites grandes, como Americanas e Dafiti. O produto é divulgado no portal da marca, mas está anunciado com o seguinte aviso: “vendido e entregue por X”. Assim, por mais que a compra e o pagamento ocorra pelo marketplace, a responsabilidade é da outra empresa, no caso, a X.

No cruzamento de docas, como vimos, é diferente. Existe um estoque ou um armazém intermediário, ainda que por um intervalo de tempo curto. Ali, os produtos são empacotados e etiquetados e a distribuição logística é realizada, a partir das diferentes transportadoras ou conforme a gestão de frota elaborada.

Quais são os benefícios de implementar o cross docking?

A implementação da estratégia depende de um bom sistema para transportadora, a fim de que todos os processos sejam controlados e monitorados. É uma forma de garantir a inovação na logística, ainda que o cross docking, de maneira específica, não seja uma revolução.

Isso acontece porque os benefícios derivados dessa prática são variados. Conheça os principais!

Otimização das trocas de mercadorias

O produto e a embalagem precisam estar em perfeitas condições parta evitar a substituição ou a perda de mercadorias. Quanto maior for o tempo de armazenamento, mais aumenta a margem de ocorrência desses problemas. Com o cross docking, é possível verificar esses aspectos antes do envio ao cliente, a fim de evitar a insatisfação do consumidor.

Além disso, caso a troca seja necessária, o sistema utilizado para a gestão da transportadora permite alinhar as ações de todos os integrantes do processo. Com isso, a substituição é mais rápida.

Redução de custos com estoques

Os itens armazenados precisam ser bem equilibrados para evitar capital de giro parado e, ao mesmo tempo, atender às demandas. Essa estratégia de logística possibilita trabalhar com o estoque zero, o que reduz os gastos e ainda traz liberdade para a alocação de recursos.

Além disso, há outros custos diminuídos com o passar do tempo. O espaço de armazenagem é menor, o que traz economia com a locação. Outros valores — relativos a luz, segurança, manutenção etc. — são repassados ao fornecedor.

Esse benefício é derivado da fabricação ou do recebimento do produto somente quando há saída. Em outras palavras, a demanda é determinante nesse processo.

Integração entre parceiros

A fluidez do fluxo de informações é uma característica do cruzamento de docas. Com isso, os parceiros compreendem as operações e gerenciam a demanda e os materiais de modo sincronizado. O resultado é menos burocracia e a economia de recursos e de tempo.

Para alcançar essa vantagem, é necessário ter um sistema bem implementado e uma boa rede de transportes, com equipamentos e atividades que forneçam o suporte necessário ao fluxo de mercadorias. Esse é o caso dos rastreadores, que permitem saber onde a carga está.

Diminuição das possibilidades de furtos

A estocagem de produtos aumenta a incidência de furtos, roubos e desvios. Essas situações causam prejuízos financeiros e comprometem o atendimento e a satisfação dos clientes devido à dificuldade de cumprimento das demandas. No cross docking, há menos chance de ocorrência desses incidentes, porque o tempo de permanência no centro de distribuição é menor.

Agilidade para os processos

A utilização do centro de distribuição nessa modalidade ajuda a agregar eficiência. O produto é preparado, separado e enviado de maneira mais rápida — fatores que diminuem as chances de atrasos.

Como inexistem mercadorias empilhadas, as atividades são executadas com agilidade e pouca chance de erros. Essa característica gera até um diferencial competitivo, que faz sua empresa sair à frente da concorrência.

Diminuição do capital de giro

Esse é outro benefício derivado do cross docking. O capital de giro é aquele montante voltado para a manutenção do funcionamento do negócio. Quando você utiliza essa estratégia de armazenamento, reduz os custos. Portanto, precisa de uma quantia menor para a execução das operações.

Ao mesmo tempo, os produtos são adquiridos pela empresa somente depois da venda aos clientes. Com isso, o ciclo financeiro é menor e o giro é maior. O resultado é o aumento do lucro e o fortalecimento do caixa.

Ademais, o capital de giro passa a ser mais bem empregado. Ele pode ser utilizado, por exemplo, para realizar melhorias no ciclo de produção ou para fazer investimentos.

Eliminação das falhas nas operações

O ser humano está sujeito a erros em qualquer operação realizada. Com essa estratégia, a chance de isso acontecer é menor, porque o produto chega ao cliente por meio de uma operação de despacho.

Como a entrega é feita diretamente pelo fabricante, o processo se torna mais efetivo. No centro de distribuição, o pedido é conferido e todos os detalhes são verificados. Desse modo, há menos chance de a solicitação chegar errada ao cliente e de ele ficar insatisfeito.

Aumento do controle na entrega dos produtos

O gestor ou o responsável pelo envio do item adquirido pelo consumidor consegue verificar em que local a mercadoria está e qual é seu prazo de entrega, a fim de assegurar seu cumprimento. Isso traz mais controle e segurança para as partes envolvidas.

Por consequência, há a redução do lead time dos pedidos. O motivo é a menor complexidade das operações e a transferência direta dos pedidos aos clientes, que diminui os prazos de entrega.

Integração da cadeia de suprimentos

A supply chain é aprimorada porque o estoque é eliminado. Com isso, um relacionamento próximo entre fornecedores, empresa e transportadora é estabelecido. Todos atuam em prol da eficiência do fluxo do pedido, que exige um alinhamento dos processos.

Como é possível implementar o cross docking?

Neste post, já explicamos vários detalhes relevantes sobre o cruzamento de docas. Você entendeu por que essa estratégia é válida e como é seu funcionamento. Nesse momento, é possível se perguntar: “como implementar a ideia no meu negócio?”. A resposta passa por algumas dicas que apresentaremos abaixo. Confira!

Invista em ferramentas

Os softwares de logística são fundamentais nesse processo, porque ajudam a descentralizar as etapas sem perder o controle de custos. Também permitem a identificação de falhas, além de detectar informações, emitir notas fiscais e mais.

Você pode usar, por exemplo, um software TMS (sistema de gerenciamento de transporte). Com ele, gestor e equipe visualizam as operações e executam um planejamento bem elaborado. Isso é possível porque identificam quando o produto será recebido, para onde deve seguir e como a distribuição ocorrerá.

Por sua vez, o ERP (sistema de gestão empresarial) contribui para o planejamento e a alocação e gerenciamento dos recursos. Os benefícios surgem devido à centralização das informações, que facilita a comunicação com clientes e fornecedores.

Faça um bom planejamento

O cross docking tem como prerrogativa garantir o cumprimento dos prazos aos destinatários e o desenvolvimento dos processos operacionais. O desenho desse planejamento é o pilar para o sucesso da estratégia e a maneira pela qual as ações devem ocorrer em sintonia.

Nessa atividade, considere o dimensionamento da operação a partir de diferentes variáveis, como mão de obra, área, volumes a serem movimentados, sistemas, malha de distribuição, custos, níveis de serviço esperado e mais.

Lembre-se, ainda, de implementar um piloto. Como essa estratégia é complexa, faça testes para encontrar possíveis gargalos. Com isso, você é capaz de eliminar ou reduzir os problemas antes de implementar o modelo de maneira definitiva.

Contrate centros de distribuição

O centro de distribuição é uma etapa estratégica para essa operação. Verifique a localização dos parceiros e dos consumidores para, somente a partir disso, definir o fornecedor mais adequado. Mais que isso, observe suas operações, se ele tem capacidade para atender às demandas atuais e qual é sua flexibilidade para aumentar ou diminuir os pedidos.

Se conseguir trabalhar com um parceiro que já opere nessa modalidade, melhor. A experiência ajuda a aprimorar os processos, especialmente devido ao compartilhamento de informações.

Conte com a ajuda da tecnologia

Um sistema de gestão empresarial voltado para transportadoras é essencial para a estratégia do cross docking. Ele centraliza os dados e, por isso, facilita o fluxo de comunicação. Também agiliza as atividades e subsidia as tomadas de decisão, que se tornam mais precisas. O resultado é um fluxo de processos melhor, fluido e que oferece bom atendimento aos clientes.

Qualifique o time de colaboradores

A equipe precisa ser capacitada para garantir o sucesso da estratégia de cross docking. Mais do que implantar sistemas e ter um centro de distribuição à sua disposição, é necessário contar com mão de obra qualificada e engajada. Ou seja, além da capacidade técnica, os colaboradores precisam entender a importância de levarem o modelo a sério.

Esse aspecto é indispensável porque são as pessoas que gerenciam a operação na rotina diária. Além disso, asseguram a comunicação eficiente com fornecedores e clientes, a fim de organizar os pedidos. Ao contar com esse critério, a chance de sucesso é maior.

Busque um bom atendimento

O fortalecimento dos canais de contato com o cliente é uma etapa importante da implementação. Os profissionais que atuam no atendimento precisam atender os consumidores e estar dispostos a repassar as informações. Mais que isso, os meios devem ser divulgados aos consumidores.

Tenha em mente que o atendimento é o momento para saber o que está bom e aquilo que pode melhorar. Os clientes são boas fontes de feedbacks e podem ser até fidelizados com a ajuda de uma boa experiência. Portanto, aposte no relacionamento contínuo e que visa ao longo prazo.

Execute melhorias constantes

O cross docking é passível de aperfeiçoamento constante e requer esse cuidado para evitar problemas. Por ser um modelo inovador, você pode ter prejuízos se deixá-lo rodando sozinho e sem intervenções.

O ideal é buscar melhorias e otimizações para reduzir ainda mais os custos do processos e oferecer uma experiência única aos clientes. Se necessário, adapte o formato, conforme sua empresa evolui. Por exemplo, agora, você pode estar no nível 1, mas depois de alguns meses, chegar ao 2. Tenha atenção a essas mudanças para explorar ao máximo a estratégia.

Quando vale a pena investir no cross docking?

Esse modelo logístico é bastante adequado a e-commerces, mas também pode ser aplicado a outros tipos de empresas. Esse é o caso das organizações com foco em operações B2B, que têm suas atividades otimizadas com a ajuda do cruzamento de docas.

Em qualquer desses modelos de negócio, vale a pena apostar no cross docking. De toda forma, o processo deve ser feito a partir de um planejamento e gradualmente, já que requer investimentos diversos, por exemplo, em pessoal, locação de centros de distribuição e obtenção de sistemas de controle.

A capacitação da mão de obra é outro fator que leva tempo e exige cuidado. Ainda assim, é importante ter uma equipe especializada para evitar falhas que comprometam a empresa.

Perceba que essa estratégia pode ser adotada desde o início do negócio. Caso ele já esteja em funcionamento, é possível implantá-lo da mesma forma, especialmente se houver a necessidade de reduzir custos e otimizar os prazos de entrega e o atendimento aos consumidores.

Dessa maneira, você consegue ter um diferencial competitivo e agregar valor às operações. Ainda tem a chance de alcançar os objetivos traçados mais rapidamente, em especial porque a satisfação dos clientes melhora a reputação e a imagem da marca no mercado.

Qual é o papel da transportadora no cross docking?

A transportadora é o elo fundamental para as operações do cross docking na rotina diária. Como a ideia é que o produto chegue e já siga em direção ao consumidor, fica claro que esse processo depende do modal rodoviário, o mais utilizado no Brasil, como já destacamos.

É por isso que uma rede de transporte eficiente é essencial para o sucesso da implementação da estratégia. Para isso, é preciso selecionar os fornecedores com cuidado. Eles devem ser confiáveis e ter o mesmo padrão de qualidade da empresa. Em outras palavras, transportadora e marca precisam estar totalmente alinhados.

A transportadora ainda deve evitar atrasos e garantir que os pedidos cheguem de forma correta aos clientes. Fica evidente que o trabalho é complexo e exige uma boa coordenação das atividades. Caso contrário, remessas erradas podem ser encaminhadas, atrasos podem ocorrer e ainda é capaz de existirem avarias e perdas durante o processo.

Junto à transportadora — que precisa ser um parceiro estratégico —, é necessário contar com estratégias eficientes. Elas devem fortalecer os impactos positivos do cross docking, em vez de prejudicar as operações.

Lembre-se de colocar todas as dicas de implementação em prática, a fim de evitar os problemas. Mais que isso, conte com a ajuda da tecnologia. Ela permitirá o monitoramento dos processos para alcançar os propósitos esperados, com equilíbrio máximo entre a demanda e o envio de pedidos.

Como vimos, estar em constante evolução é fundamental. Aprimorar os processos ajuda a aumentar ainda mais os benefícios derivados dessa prática. Ao colocar todas essas ideias em prática, você verá que o cross docking faz a diferença no seu negócio.

Agora que você entendeu melhor essa prática, chegou a hora de colocar a mão na massa. Aproveite para saber ainda mais e ver como fazer uma gestão de transportadora realmente eficiente.

Quer saber sobre mais assuntos como esse? Nos siga nas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.