(Last Updated On: 17 de Março de 2016)

As regras para emissão de boletos foram modificadas pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) no ano passado, gerando diversas dúvidas entre empresários e prestadores de serviços. O fim do boleto sem registro foi anunciado no início do ano passado como parte do Projeto Nova Plataforma de Cobrança, que tem o objetivo de trazer mais transparência para o mercado de pagamento. A aplicação da nova regra está sendo  realizada em etapas, de acordo com o cronograma divulgado pela instituição:

 

  • Julho de 2015: Fim da oferta da cobrança sem registros para novos clientes
  • Agosto de 2015: Início da operação da base centralizadora de benefícios
  • Dezembro de 2016: Término da migração das carteiras de cobrança sem registro para a modalidade registrada
  • Janeiro de 2017: Início da operação da base centralizadora de títulos

 

Você deve estar se perguntando: mas qual o impacto que esta mudança trará?  Para responder esta pergunta, vamos analisar como funcionam as carteiras com e sem registro:

 

Carteira sem registro

É o modelo mais simples de carteira e, também, o mais barato. Quando uma empresa escolhe a carteira sem registro, o banco não tem controle sobre os boletos. Por isso mesmo, a própria empresa é quem faz o preenchimento, a emissão e o envio do boleto. Da mesma forma, é a empresa que faz a cobrança caso o cliente não efetue o pagamento na data certa.

Por outro lado, não é necessário notificar o banco após gerar cada boleto, ao contrário da carteira registrada. Além disso, só é cobrada uma única taxa bancária, no momento que o boleto é pago.

 

Carteira registrada

Já quando a empresa escolhe a carteira registrada, geralmente é o banco que imprime e envia os boletos para os clientes. Em caso de inadimplência, usualmente a responsabilidade de protesto também é do banco, o que garante mais segurança à empresa. Além disso, os pagamentos em aberto podem ser recebidos de forma antecipada.

Por outro lado, é preciso notificar o banco sobre cada boleto gerado pela empresa. É possível também que a instituição financeira cobre taxas pelo seu serviço, mesmo quando o cliente não efetua o pagamento.

Considerando as diferenças, vemos que a carteira registrada possui mais vantagens, em contrapartida, o valor que a empresa precisará desembolsar para este tipo de cobrança pode ser maior do que o valor pago por uma carteira sem registro. Portanto, as empresas que contrataram qualquer plano de com este tipo de carteira terão até o final deste ano para migrarem para a cobrança do tipo registrada, pois a partir de janeiro de 2017, carteiras sem registro serão definitivamente extintas.

Se você possui o Controle de Transportadoras com o módulo de cobrança eletrônica, não há com o que se preocupar. As alterações não afetarão em nada as remessas bancárias, pois as mudanças serão feitas apenas em seu banco, por isso recomendamos que entre em contato com seu gerente para saber mais detalhes sobre as possíveis taxas que serão cobradas. Precisa de um sistema integrado com o seu banco? A Bsoft tem a solução! Com o Controle de Transportadoras, através do módulo de cobrança eletrônica, o financeiro passa a ser automatizado, não sendo mais necessário controlar cada lançamento ou baixa separadamente. Saiba como funciona entrando em contato conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.