(Last Updated On: 10 de novembro de 2015)

Depois de várias promessas, parece que a segunda greve dos caminhoneiros realmente deve acontecer. A classe vem se mobilizando fortemente através das redes sociais e aplicativos de conversas para que a partir de segunda-feira, 09, ocorra uma forte mobilização a fim de reivindicar contra o governo federal.

A greve geral deve ocorrer no Brasil inteiro, mas a classe espera um apoio forte dos caminhoneiros dos grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro.  A expectativa, segundo a classe, é que a greve atinja pelo menos 70% do país num primeiro momento. Em Santa Catarina, vários focos de paralisação são esperados. No entanto, isso deverá ocorrer apenas se os demais estados também aderirem.

Segundo organizadores da manifestação, a intenção inicial não é bloquear rodovias, mas sim fazer com que o transportador apenas pare de realizar sua atividade. Porém, se houver dificuldade em prosseguir com as negociações – tanto da pauta do governo federal, quanto das reivindicações que a própria classe faz – eles não hesitarão em trancar as estradas brasileiras e aí sim ninguém deverá passar, especialmente os caminhoneiros.

Conforme o que Vilmar Bonora, liderança regional do movimento, disse ao jornalismo da emissora, o movimento terá um primeiro foco: a queda da presidente Dilma Roussef. As demais pautas, reivindicadas ainda em fevereiro e desde então não alcançadas, deverão ser discutidas apenas se houver outras lideranças no poder. Nas palavras dele, o atual governo já deu sinais de que não vai atender os pedidos da classe.

Em fevereiro, as principais reivindicações dos caminhoneiros eram:

1) Diminuição do valor do combustível, que, segundo a categoria, representa 60% do frete nas rodovias;

2) Criação de uma tabela única nacional de preços do frete baseada no km rodado. Hoje, o valor é calculado de várias formas, de acordo com o que é definido em cada estado. Em alguns lugares, por exemplo, o frete é pago levando em conta o peso e a mercadoria carregada;

3) Prorrogação de 12 meses das parcelas dos financiamentos de quem comprou caminhões pelo BNDES;

4) Obras para melhorar as condições das rodovias, principalmente as federais;

5) Aprovação pela presidente Dilma Rousseff das alterações na “Lei dos Caminhoneiros”, que prevê jornada fixa de trabalho de oito horas por dia, mais as duas horas extras. A categoria quer jornada de doze horas, mais duas horas extras;

6) Isenção de pedágios para eixos suspensos. Hoje, os caminhoneiros pagam por todos os eixos, mesmo vazios.

 

Fonte: Rádio Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.